Categoria: Bula de Remédio

bula de remédio

A bula é um documento encontrado na caixa de todos os medicamentos e que contém informações para o paciente sobre as características do remédio. Todas as bulas têm os mesmos tópicos para facilitar a busca das informações ao usuário: composição, indicações, posologia, contraindicações, precauções, efeitos colaterais e interações.

O paciente deve conservar a bula juntamente com o medicamento, para poder consultá-la sempre que tivermos uma dúvida e, assim, evitar possíveis confusões.

O primeiro parágrafo de uma bula é a composição, que informa sobre as substâncias que compõem o medicamento, seu nome, quantidade e apresentação, que é a forma em que se apresenta o fármaco, que pode ser em cápsulas ou em xarope.

Entre as substâncias que o compõem a medicação estão as que têm atividade terapêutica, conhecidas como princípios ativos. Os excipientes também fazem parte do medicamento, mas não são farmacologicamente ativos. São substâncias como o açúcar de xaropes ou como os corantes. Porém, é obrigatório incluir na bula, já que podem produzir alergias ou intolerâncias em algumas pessoas, ainda que se trate de casos pouco freqüentes.

Outro tópico que consta na bula é o das indicações. Nele constam as doenças para as quais o medicamento está indicado. A posologia destaca-se a dose ou quantidade do medicamento que deve ser administrado em cada tomada e diariamente. Em geral, a dose é recomendada para adultos, com especificação, se for o caso, para crianças ou idosos. Em outros casos, a dose é especificado em função da idade e peso do paciente.

Na seção de contraindicações, são informados os casos em que o medicamento não deve ser tomado uma vez que pode ser prejudicial para algumas pessoas que sofrem de determinadas doenças crônicas ou alergias. As precauções são avisa algumas circunstâncias em que, podendo tomar o seu medicamento, há que intensificar a fiscalização.

Os efeitos secundários informam as reações não desejadas, que um medicamento pode produzir no nosso organismo. O mais habitual é que não se manifestem efeitos colaterais e, se aparecer algum, que seja em forma ligeira. Em todo o caso, sempre que ao tomar um medicamento verificar alguma alteração, deve-se consultar com o médico ou farmacêutico.

As interações ocorrem por a administração simultânea de um medicamento com outros, dando lugar a um aumento ou diminuição dos efeitos dos mesmos. Este é o motivo pelo qual é tão importante avisar ao especialista, se você está consumindo algum tipo de tratamento antes de começar outro, ainda que se trate de um medicamento aparentemente inofensivo.

Não se esqueça: pergunte sempre ao seu farmacêutico, ele vai falar sobre estas e outras questões relacionadas com a saúde e o medicamento.